Qlik pelo quinto ano consecutivo entre os líderes do Quadrante Mágico de Plataformas de Business Intelligence e Analytics da Gartner

A Qlik®, líder em data discovery com presença direta em Portugal, anuncia que foi novamente posicionada pela Gartner, Inc. no Quadrante de Líderes do relatório de 2015 do Quadrante Mágico de Plataformas de Business Intelligence e Analítica. Este é, assim, o quinto ano consecutivo em que a Qlik é posicionada no Quadrante de Líderes, com base na abrangência da sua visão e na capacidade de execução.

Qlik_Gartner

Os Quadrantes Mágicos da Gartner oferecem uma visão periférica do desempenho de cada fabricante no seu segmento de mercado tendo em consideração o objetivo de ajudar os utilizadores finais a tomarem decisões mais informadas sobre as empresas com quem querem estabelecer parcerias, ou sobre os serviços/produtos que poderão vir a adquirir. O relatório completo pode ser encontrado em http://www.qlik.com/mq2015.

De acordo com o relatório, “a transição faz-se para plataformas que podem ser rapidamente implementadas e que podem ser usadas por analistas e por utilizadores empresariais, de forma a descobrir novas perspetivas, ou pelo TI para construir de forma rápida conteúdo de analítica que responda aos requisitos do negócio e garanta benefícios atempadamente. A Gartner estima que mais de metade das compras líquidas seja baseada em data discovery”. O relatório refere que “esta mudança para um modelo descentralizado, que dá mais capacidades aos utilizadores empresariais, também impõe a necessidade de uma abordagem de data discovery gerida”.

“Fomos sempre uma força disruptiva na indústria de BI. Houve uma altura em que a nossa oferta na área de data discovery era um conceito visionário que os fornecedores já estabelecidos se esforçavam por incorporar; é agora um facto que o data discovery estabeleceu o standard para a liderança de BI”, refere Lars Björk, CEO da Qlik. “Como pioneira neste mercado, a Qlik continuará a inovar nas áreas de visualização em modelo self-service e governance para redefinir o mercado”.

A Qlik está focada na próxima transformação à medida que o data discovery amadurece para uma criação concebida e gerida para o utilizador. A Qlik apresentou recentemente o Qlik® Sense, o primeiro produto de visualização em modelo self-service independente de equipamentos concebido para um elevado grau de governabilidade e desempenho dos departamentos de TI. Construído numa arquitetura moderna e alimentado pelo patenteado motor de indexação de dados da Qlik, o Qlik Sense confere aos utilizadores a habilidade de, sem quaisquer restrições, criarem análises personalizadas e explorarem as relações existentes nos dados para revelar de forma instantânea as ligações. O Qlik Sense foi desenhado para servir as diferentes audiências sem compromisso: os utilizadores empresariais ganham a experiência intuitiva de que necessitam, os developers recebem possibilidades ilimitadas para os seus desenvolvimentos e o IT tem acesso a um controlo centralizado para gestão e governabilidade.

Numa altura em que o ímpeto do data discovery aumentou nas empresas, também cresceu a necessidade que os clientes Qlik têm de recorrer a analítica interativa e colaborativa em combinação com a criação automática de relatórios. Este mês a Qlik anunciou a aquisição da Vizubi e da linha de produtos NPrinting, a aplicação líder de mercado para criação, distribuição e agendamento de relatórios para o QlikView®. Com esta aquisição, o QlikView pode agora ser usado como uma plataforma para analítica orientada e para criação de relatórios, permitindo que as organizações eliminem as soluções redundantes de BI e poupem custos.

Ao longo destes anos em que apresenta inovações e altera a forma como o BI é visto, a Qlik mantém o seu compromisso com o objetivo de se tornar num standard global na forma como as pessoas podem analisar os seus dados. Com a tecnologia core patenteada, a experiência associativa e as capacidades móveis e colaborativas da Qlik, os utilizadores podem fazer e responder a inúmeras questões por si mesmos, em equipas ou grupos, onde quer que estejam a trabalhar. Os utilizadores podem continuar a explorar a informação de forma livre ao invés de estarem confinados a um caminho predefinido de questões. Podem ainda beneficiar de um rápido time to value em implementações que podem revelar-se produtivas em apenas alguns dias ou semanas.

Fonte (Local.pt): http://bit.ly/1E7RzDO

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a newsletter Ábaco EDGE!